top of page
  • Felipe Lange

Economia americana pré-pandemia estava alcançando níveis sem precedentes para negros e hispânicos

Atualizado: 15 de jan. de 2021

A economia de livre mercado é a única maneira de voltar aos trilhos após o COVID-19.


Brad Polumbo


A vida sombria e isolada que muitos americanos adotaram durante a crise contínua do COVID-19 é muitas vezes referida como o "novo normal". Mas quando se trata do lado econômico da pandemia, todos devemos esperar que as paralisações de negócios deste ano, as intervenções governamentais maciças, os gastos excessivos e os déficits disparados não vieram para ficar.


Por quê? Bem, porque novos dados do Federal Reserve mostram que a economia pré-pandemia estava atingindo níveis incomparáveis de prosperidade para os americanos em todas as esferas da vida.


"A renda e a riqueza das famílias americanas aumentaram nos anos que se aproximavam da pandemia do coronavírus, com aqueles nas categorias de baixa renda e riqueza obtendo ganhos relativamente grandes ", escreve o Wall Street Journal em resumo do novo relatório do Federal Reserve.


Tuíte referente à notícia.



"À medida que os preços das propriedades e ações aumentaram, o patrimônio líquido médio das famílias, ou riqueza, aumentou 18% para US$ 121.700 de 2016 a 2019", continua o relatório. "A renda familiar média - o nível em que metade está acima e a outra metade abaixo - aumentou 5%, para US$ 58.600, antes dos impostos e corrigida pela inflação. O aumento da renda veio enquanto a economia cresceu 2,5 % ao ano em média, a inflação permaneceu baixa e a taxa de desemprego caiu. "


Tuíte mostrando o patrimônio líquido e renda média antes dos impostos.



Essas melhorias foram sentidas em todas as áreas da vida americana.


De acordo com o Journal, "Enquanto o patrimônio líquido médio das famílias brancas e não hispânicas aumentou 3% de 2016 a 2019, a riqueza das famílias negras e hispânicas ou latinas aumentou em ritmos muito mais rápidos: 33% e 65%, respectivamente. "


E não se esqueça de que antes da pandemia COVID-19, o desemprego afro-americano estava em baixa recorde, com o desemprego hispânico também muito baixo.


Tuíte demonstrando o aumento na renda média, no valor do patrimônio líquido e o baixo desemprego.



Vale a pena considerar: a abordagem política do governo Trump merece crédito pelo enorme sucesso econômico durante o primeiro mandato do presidente antes da pandemia?


É verdade que alguma má gestão política em certos problemas impediu a economia de atingir patamares ainda mais altos durante este período, como o peso de uma dívida nacional crescente e as consequências das restrições comerciais prejudiciais de Trump.


E, é claro, nenhum presidente de qualquer partido é inteiramente responsável pelos resultados econômicos do país, mesmo que, infelizmente, seja assim que a economia é frequentemente retratada pela imprensa e pela classe política. Existem, literalmente, milhões de fatores em jogo que determinam o estado da economia.


Mas não há como negar o fato de que a abordagem laissez-faire de desregulamentação que a administração Trump implementou durante seus primeiros três anos contribuiu para o crescimento econômico e o aumento do mercado de ações que alimentou o aumento do patrimônio líquido das famílias. A reforma tributária de 2017 reduziu os impostos corporativos punitivos, o que impulsionou o crescimento ao tornar os EUA mais competitivos internacionalmente. Assim, o governo Trump merece um grande crédito pelas tendências econômicas positivas que experimentamos.


O crescimento e o progresso dos americanos em todas as esferas da vida de 2016 a 2019 sob a administração pré-pandêmica de Trump contrasta fortemente com o histórico do ex-presidente Obama. Em uma ampla gama de setores, de saúde a meio ambiente, serviços bancários e internet, o governo Obama acrescentou mais de 20.642 novos regulamentos durante seu mandato de oito anos. Isso impôs centenas de bilhões em custos aos americanos comuns, de acordo com um estudo da Heritage Foundation. Não é nenhuma surpresa, então, que Obama presenciou a recuperação econômica mais lenta de uma recessão na história americana desde a Grande Depressão.


A conclusão aqui é bastante clara. Só podemos restaurar nossa economia às alturas anteriores à pandemia destruindo as onerosas restrições, regulamentações e intervenções da era COVID-19 em nosso sistema de mercado.


Como o economista austríaco Ludwig Von Mises escreveu em Ação Humana, "A marca característica da história econômica sob o capitalismo é o progresso econômico incessante, um aumento constante na quantidade de bens de capital disponíveis e uma tendência contínua para uma melhoria no padrão geral de vida . " Mas quando os mercados são prejudicados e o governo assume o controle, a eficiência e o crescimento são sufocados.


"No mercado livre prevalece uma tendência irresistível de empregar todos os fatores de produção para a melhor satisfação possível das necessidades mais urgentes dos consumidores", escreveu Mises. "Se o governo interfere nesse processo, só pode prejudicar a satisfação; isso nunca pode melhorá-lo. "


Claro, os EUA antes do COVID-19 dificilmente eram uma utopia de livre mercado. Ainda havia regulamentação demais, intervenção federal na economia e muito mais. Mas estávamos muito mais próximos dos mercados livres do que agora. Muitas cidades importantes, como São Francisco e Nova York, ainda estão parcial ou totalmente em modo de lockdown destrutivo de uma pandemia. E pretendemos gerar até US$ 3,3 trilhões de déficit orçamentário federal (e contando) este ano.


Todos nós queremos voltar ao apogeu anterior e restaurar a trajetória positiva anterior da economia. Portanto, não podemos permitir que as restrições governamentais draconianas da era COVID-19 e os gastos excessivos se tornem permanentes.


"O efeito de sua interferência é que as pessoas são impedidas de usar seus conhecimentos e habilidades, seu trabalho e seus meios materiais de produção de forma a obter os maiores retornos e satisfazer suas necessidades tanto quanto possível", concluiu Mises. "Essa interferência torna as pessoas mais pobres e menos satisfeitas."



Este é o destino que nos espera, se a era COVID-19 do grande governo veio para ficar. Longas filas de desemprego e uma economia em dificuldades realmente se tornarão o "novo normal".



 

Artigo originalmente publicado no Foundation for Economic Education, no dia 02/10/2020, podendo ser conferido aqui. Traduzido, adaptado e editado por Felipe Lange.


Imagem retirada dessa fonte. A imagem de abertura não possui quaisquer fins publicitários.


 

Recomendações de leitura:


- O mito da estagnação da classe média americana;

- O encerramento de carros pela Ford explica mais coisa do que você imagina;

- Americanos possuem muito mais espaço em suas acomodações do que os europeus;

- Como um corte de impostos fez a renda dos americanos aumentar a uma taxa recorde;

- Sim, os recentes aumentos salariais dos americanos foram por causa dos cortes de impostos;

59 visualizações0 comentário
bottom of page