• Felipe Lange

Por que Taiwan não impôs restrições ao comércio

Atualizado: Abr 3

Javier Caramés Sanchez e William Hongsong Wang

Artigo original publicado no dia 26/03/2020 no Mises Institute, podendo ser conferido aqui. Imagem original disponibilizada aqui.


[Nota do tradutor: Em caso de quaisquer falhas de tradução, favor nos contatar em nossa página no Facebook ou comentar abaixo. Ficaremos extremamente gratos.]


Nota inicial do tradutor/editor: Parafraseando Ryan McMaken: Estudar um vírus de RNA de fita simples de sentido positivo não faz de você um especialista em Economia e Política.


Vale lembrar que Taiwan está atualmente entre as quinze economias mais livres do mundo (na 11 ª posição, à frente de países como Islândia, Holanda, Estados Unidos, Finlândia e Chile). Um país pequenino e que continua não sendo reconhecido como independente pelo poderio burocrático chinês, mas que tem uma moeda relativamente estável e com um nível razoável de abertura comercial (no relatório Taiwan está como "Chinese Taipei", assim que o país é conhecido na China). Esses são outros fatores que podem explicar o seu sucesso e capacidade de lidar com situações adversas como a atual pandemia.

Como a Escola Austríaca de Economia demonstra na teoria do cálculo do socialismo, nenhum órgão central de planejamento tem capacidade para organizar a sociedade com base em mandatos coercitivos. A principal razão é que o planejador central é incapaz de obter todas as informações necessárias para organizar a sociedade dessa maneira, pois as informações têm qualidades subjetivas, criativas, dispersas e tácitas. Este princípio é totalmente aplicável à contenção de uma pandemia. A responsabilidade individual, juntamente com a transparência das informações, são cruciais para interromper uma pandemia. Taiwan argumenta muito bem como o individualismo e a cooperação voluntária funcionam efetivamente para resistir à pandemia de coronavírus.



Perto da China continental, mas com relativamente poucas pessoas infectadas No momento, em Taiwan, a infecção foi completamente contida, apesar de ser um dos países com maior risco de sofrer uma pandemia, uma vez que a República da China (ROC) está muito próxima do continente chinês (República Popular da China ( RPC)). Até janeiro, havia vôos entre a capital de Taiwan, Taipei, e o epicentro de Wuhan, na China. No entanto, em 21 de março, havia apenas 153 infectados ao mesmo tempo em que a Europa [atualizado para 10:14 de 02/04/2020, 339 infectados], longe do continente chinês, tem mais de dez mil afetados pelo coronavírus. No entanto, em Taiwan e outras partes da Ásia, incluindo Cingapura e Hong Kong, nenhuma quarentena ou contenção obrigatória maciça foi aplicada até o momento. Como Taiwan conseguiu isso?

Transparência A primeira causa do sucesso de Taiwan é a transparência das informações, que interrompeu o rápido crescimento da infecção. A contenção em Taiwan foi realizada com uma transparência relativamente alta. Já em 31 de dezembro do ano passado, o Ministério da Saúde e Bem-Estar de Taiwan começou a levar a sério o perigo potencial da pneumonia de Wuhan, informando todos os dias os cidadãos sobre as tendências em desenvolvimento da infecção e seu status. As informações fornecidas pela autoridade de Taiwan também incluem se os infectados em Taiwan contraíram a doença a partir de insumos no exterior, o que ajuda as pessoas a tomar medidas para se proteger em tempo hábil. Nas conferências de imprensa constantes, o governo de Taiwan oferece diferentes opções e recomendações que as pessoas podem optar por adotar voluntariamente, mas não são impostas de forma coercitiva. As informações abundantes fornecidas continuamente permitem que os indivíduos tomem suas próprias decisões informadas e equilibradas em condições de incerteza. Por outro lado, os governos dos países da União Européia reagiram lentamente e, no final de fevereiro, não forneceram informações suficientes sobre a possível pandemia, dificultando o manejo da situação.

Tomada de decisão voluntária e cooperação entre indivíduos e setores privados O tipo de quarentena estabelecido pelo governo de Taiwan é principalmente de quarentena própria. O governo de Taiwan reconhece que é crucial confiar nas ações voluntárias das pessoas para resistir à pandemia. Como observamos acima, a maioria dos casos de contágio em Taiwan vem de fora e quase sempre é detectada na fronteira. A autoproteção voluntária do povo taiwanês está efetivamente suprimindo a disseminação do coronavírus em seu país, e as quarentenas forçadas são geralmente para casos mais graves, por exemplo, para taiwaneses infectados evacuados do continente chinês. Um dos problemas com o coronavírus foi manter um equilíbrio entre a atividade econômica e conter a infecção. Nesse sentido, diferentemente do que os países do sul da Europa, como Itália e Espanha, a política do governo de Taiwan não é tomar medidas preventivas para impedir o surto, impedindo as atividades econômicas. Tomando as escolas como exemplo, o início do curso foi adiado por duas semanas no início. Atualmente, a política das escolas é medir a temperatura dos alunos, professores e trabalhadores. Se forem detectadas febres, as aulas nessa escola são suspensas, mas não ocorrem suspensões maciças de classe. Ao mesmo tempo, o ensino on-line está sendo incentivado, mas não está sendo forçado pelo governo. Em muitas universidades de Taiwan, o ensino on-line está sendo promovido para permitir que aqueles que não podem assistir às aulas pessoalmente façam cursos. Embora seja verdade que a educação online como forma de evitar infecções já tenha sido adotada em outros países, a peculiaridade de Taiwan reside no fato de não ter sido imposta por ordem do governo. Nem todo mundo é obrigado a estudar on-line ou telecomutar, mas houve um forte incentivo para isso. A transparência das informações do governo também deu às empresas taiwanesas o tempo necessário para voluntariamente preparar e adotar o teletrabalho progressivamente. Outros países, de repente, fecharam muitas empresas por meio de ordens governamentais obrigatórias, como a Espanha fez em 13 de março, sem dar tempo para as empresas e seus trabalhadores se prepararem para a quarentena. O governo de Taiwan está controlando a propagação da infecção com políticas flexíveis, que deixam muito espaço para os indivíduos tomarem iniciativas e tomarem suas próprias decisões. Cada indivíduo pode tomar as medidas mais apropriadas para sua própria situação, tendo seus próprios incentivos para ser cauteloso. Da mesma forma, o fato de os cidadãos de Taiwan terem sido avisados ​​desde o início da infecção criou uma conscientização generalizada para fazer os preparativos necessários e deu aos cidadãos tempo suficiente para presumir que precisam fazer mudanças em suas vidas para evitar serem infectados.


Essa flexibilidade nas políticas de contenção e transparência levou a um alto grau de responsabilidade individual. Prova disso não está apenas na tendência da população de usar máscaras, que pode ser observada em qualquer meio de comunicação, mas também na adoção de novas formas de continuar as atividades diárias, a fim de evitar o contágio. Os setores privados também adotaram ações rápidas para proteger seus clientes. A maioria dos edifícios residenciais possui pelo menos um dispensador de álcool etílico, para que todos que entrem possam desinfetar as mãos. Por exemplo, o álcool etílico está disponível nos carros da Uber há várias semanas.

Conclusão Para concluir, com transparência e diligência, o governo de Taiwan evitou muitos problemas. A chave é que o governo de Taiwan e o povo de Taiwan entendem que a responsabilidade e as ações do indivíduo são essenciais para suprimir a pandemia de coronavírus, não um desligamento maciço obrigatório. É isso que o mundo precisa aprender.

211 visualizações

© 2018  por Felipe Lange. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now