• Felipe Lange

Mercado vs. Socialismo: por que a saúde sul-coreana está superando a Itália com o coronavírus

Atualizado: Mai 10

Matthew Tanous

Artigo original publicado no dia 13/03/2020 no Mises Institute, podendo ser conferido aqui. Imagem original obtida aqui.


[Nota do tradutor: Em caso de quaisquer falhas de tradução, favor nos contatar em nossa página no Facebook ou comentar abaixo. Ficaremos extremamente gratos.]


Nota do editor/tradutor: Além desse fator importante, outro fator é que, ao contrário do povo italiano, povos como os sul-coreanos se tocam muito menos durante cumprimentos. A saudação mais comum é inclinar o corpo e dar as mãos. Mesmo demonstrações de afeto mais intensas entre casais sul-coreanos não são tão comuns.


Aqui outras particularidades dos sul-coreanos.



Todo mundo está ciente da propagação da nova pandemia COVID-19, que se manifesta nos estágios iniciais do mundo. As restrições de viagens estão por toda parte, pois as pessoas estão tentando fazer o teste, se preparando para possíveis quarentenas e se preocupando com seus empregos e suas famílias. Eventos envolvendo grandes grupos de pessoas são cancelados e, em alguns casos, países inteiros estão sendo bloqueados.


Mas em toda essa agitação de reação durante a crise, existe um experimento quase natural de como um sistema de saúde socializado pode responder a esse problema. E a resposta parece ser... não boa. Para demonstrar, podemos observar os dois casos da Itália e da Coréia do Sul. Até o momento em que este artigo foi escrito (12/3/2020), a Itália sofreu 15.113 casos, enquanto a Coreia do Sul confirmou 7.869. No entanto, o número da Coréia do Sul está subindo de maneira relativamente morna ~ 100 casos por dia, para os cerca de 2.500 da Itália adicionados hoje. (Os dados sobre a disseminação do novo coronavírus foram obtidos neste site, rastreando o surto.) No geral, a Itália e a Coréia do Sul têm populações semelhantes (cerca de 60 milhões e 50 milhões, respectivamente), embora a metade sul-coreana da Península Coreana seja de cerca de um terço do tamanho da Itália em termos de área terrestre.


A Itália está experimentando um rápido crescimento com aumento exponencial em casos confirmados, apesar de encerrar o país inteiro com toque de recolher e restrições de viagem e se concentrar fortemente na prestação de cuidados. Por outro lado, mesmo com um culto que espalhou a doença de propósito, a Coreia do Sul ganhou uma forte posição ao conter o COVID-19. Existem muitas razões para essa diferença no resultado, mas algumas delas estão diretamente relacionadas ao sistema de saúde muito mais socializado da Itália.



Saúde sul-coreana


Embora a Coréia do Sul tenha um sistema monopolizado pelo estado que forneça um plano de saúde estatal, esse seguro fornecido pelo estado não pode estabelecer preços no mercado de assistência médica. Hospitais e clínicas cobram rotineiramente aos pacientes mais do que o seguro do estado cobre, o que levou muitos coreanos a contratar um seguro privado para cobrir a diferença. A Korea Bizwire relata que oito em cada dez coreanos fazem esse seguro, com o coreano médio pagando pouco mais de 120.000 wones (cerca de US$ 120) por mês [para uma renda mensal de 3.863.726 wones ou US$ 3188].


Os tratamentos são prestados por um conjunto de hospitais que são 94% sob propriedade privada, com um modelo de taxa por serviço e sem subsídios diretos do governo. Muitos desses hospitais são administrados por fundações de caridade ou universidades privadas. Os hospitais privados no país explodiram em número de 1.185 em 2002 para 3.048 em 2012. O resultado é que a Coréia do Sul tem 10 leitos hospitalares por 1.000 pessoas, mais do que o dobro da média da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) (e quase três vezes o número de 3,4 camas per capita da Itália). Esses hospitais particulares também cobram significativamente menos (entre 30% a 85% do preço) do que os hospitais dos EUA (que também costumam receber um "certificado de necessidade" do governo antes da construção, dependendo do estado em que estão inseridos).



Assistência médica italiana


Na Itália, por outro lado, as cirurgias e hospitalizações fornecidas por hospitais públicos ou privados convencionais são totalmente gratuitas para todos, independentemente de sua renda. Isso é totalmente pago pelo serviço nacional de saúde, o Servizio Sanitario Nazionale (SSN) (assim como os serviços de médicos de família). O tempo de espera pode demorar alguns meses para grandes instalações públicas, embora seja um pouco menor para pequenas instalações privadas com contratos para fornecer serviços por meio do SSN. Os prestadores de serviços médicos públicos e privados oferecem opções de "livre mercado" nas quais o paciente paga diretamente, mas isso raramente é aceito e, portanto, contribui muito pouco para as receitas hospitalares. O serviço médico de emergência é sempre gratuito.


Os tempos de espera e outros marcadores de qualidade são significativamente piores no sul do país, com os pacientes frequentemente indo ao norte da Itália para obter melhores serviços. Os médicos que se formam nas escolas médicas italianas costumam ir a outro lugar para trabalhar, e as autoridades italianas estão tentando responder reduzindo as vagas em programas médicos. A Itália experimentou uma escassez contínua de trabalhadores da saúde antes mesmo de o COVID-19 atingir o país. O número de hospitais no país tem sofrido um declínio constante nas últimas décadas, de 1.321 em 2000 para 1.063 em 2017. Os preços do SSN para pagamentos a hospitais foram estabelecidos abaixo das taxas de mercado com o objetivo de economizar dinheiro em assistência médica e os resultados foram os esperados para um controle de preços de facto.



Conclusão


Atualmente, o sistema de saúde italiano está sobrecarregado pelas dezenas de milhares de casos de COVID-19 que já está enfrentando. Eles se voltaram para o racionamento de serviços para priorizar os jovens, deixando os que correm maior risco de pegar o vírus mais vulneráveis. A maioria apenas atribui isso à gravidade e perigo da pandemia. No entanto, a evidência conta uma história diferente. Ela retrata uma situação agravada pela dependência da assistência médica centralizada pelo governo, que gerencia os custos através do racionamento de preços de fato, em vez de um sistema de mercado livre. Embora a Coreia do Sul forneça uma rede básica de segurança, é também um dos sistemas de saúde mais próximos do mundo a um livre mercado, ultrapassando em grau significativo até o sistema dos EUA (que inclui um grande número de regulamentações de restrição de oferta que apenas aumentam custos e prejudicam a oferta). Como resultado, a assistência médica sul-coreana fez o que o sistema já insuficiente da Itália não poderia fazer - lidar efetivamente com a pandemia e conseguir controlá-la sem desligar o país inteiro no processo.


Se as autoridades americanas desejarem lidar efetivamente com o crescente número de casos nas grandes cidades, fariam bem em tirar lições da Coréia do Sul e começar a liberar o mercado de assistência médica em vez de confundir um protocolo de teste monopolizado que não precisava ser monopolizado e, assim, impedindo as pessoas de fazer o teste. Isso não resolveria imediatamente os problemas criados pela má regulamentação no passado, mas certamente reduziria suas consequências negativas, ao mesmo tempo em que melhoraria a capacidade do sistema de saúde de lidar com esse tipo de crise no futuro. Também teria o benefício de reduzir o custo geral do sistema de saúde para os consumidores.

242 visualizações

© 2018  por Felipe Lange. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now