• Felipe Lange

Cinco exemplos históricos de esforços de ajuda externa que deram errado

Atualizado: 20 de jul. de 2021

Esforços de ajuda internacional bem-intencionados existem há séculos. O mesmo aconteceu com suas consequências indesejadas.

Orestes R. Betancourt Ponce de León


Em seu ensaio de 1850, "Aquilo que se vê e aquilo que não se vê", Frédéric Bastiat explica que "na esfera econômica, um ato, um hábito, uma instituição, uma lei, produzem não apenas um efeito, mas uma série de efeitos. " Consequências não intencionais transformam boas intenções em políticas ruins, e um dos melhores exemplos disso é a ajuda externa.


As boas intenções de Mansa Musa podem ser o primeiro caso na história de ajuda estrangeira fracassada. Conhecido como o "Senhor das Minas de Wangara", Mansa Musa I governou o Império do Mali entre 1312 e 1337. O comércio de ouro, sal, cobre e marfim fez de Mansa Musa o homem mais rico da história mundial.


Como muçulmano praticante, Mansa Musa decidiu visitar Meca em 1324. Estima-se que sua caravana era composta por 8.000 soldados e cortesãos - outros estimam um total de 60.000 - 12.000 escravos com 48.000 libras de ouro e 100 camelos com 300 libras de ouro cada. Para maior espetáculo, outros 500 servos precederam a caravana, e cada um carregava um bastão de ouro pesando entre 6 e 10,5 libras. Ao somar as estimativas, ele carregou de um lado a outro do continente africano cerca de 38 toneladas do metal dourado, o equivalente hoje às reservas de ouro do banco central da Malásia - mais do que países como Peru, Hungria ou Catar têm em seus cofres.


No caminho, o Mansa do Mali ficou três meses no Cairo. Todos os dias ele dava barras de ouro aos pobres, acadêmicos e autoridades locais. Os emissários de Mansa percorreram os bazares pagando um prêmio com ouro. O historiador árabe Al-Makrizi (1364-1442) relata que os presentes de Mansa Musa "surpreenderam os olhos por sua beleza e esplendor". Mas a alegria durou pouco. Tanto foi o fluxo de metal dourado inundando as ruas do Cairo que o valor do dinar de ouro local caiu 20 por cento e a cidade levou cerca de 12 anos para se recuperar da pressão inflacionária que tal desvalorização causou.


Desde então, as consequências não intencionais de boas intenções na ajuda externa ocorreram repetidamente. Abundam os exemplos históricos mais recentes:


1. Entre os anos 1950 e 1960, sob o programa Food for Peace - criado por Dwight D. Eisenhower em 1954 - os mercados da Índia, Paquistão e Indonésia tiveram que competir com o fluxo maciço de produtos agrícolas doados dos Estados Unidos. As doações levaram milhares de agricultores locais à falência e restringiram o desenvolvimento da agricultura nesses países por décadas.


2. Em 1971, o governo norueguês reservou US$ 22 milhões para uma planta de processamento de pescado no Quênia, no Lago Turkana. O objetivo era exportar o peixe e dar emprego ao povo Turkana, mas eles eram nômades sem conhecimento ou interesse em pesca. Além disso, o custo do equipamento de refrigeração e da água potável era muito alto. A fábrica fechou depois de alguns dias.


3. O Banco Mundial emprestou à Tanzânia mais de US$ 10 milhões para o processamento da castanha de caju. Como resultado, em 1982, a Tanzânia tinha 11 fábricas capazes de processar três vezes o que era produzido a cada ano. Além disso, em pouco tempo, seis das fábricas estavam ociosas e precisando de peças de reposição e as outras cinco operavam com menos de 20 % de sua capacidade. Era mais barato para a Tanzânia enviar suas castanhas de caju in natura para a Índia para processamento.


4. Em 1995, durante a guerra civil no Sudão, a Christian Solidarity International começou a pagar o resgate de US$ 100 a US$ 50 pelos escravos Dinka capturados no sul do país. Tornou-se mais lucrativo vender escravos a europeus e norte-americanos bem-intencionados do que vendê-los ao Norte por US$ 15. A dinâmica das boas intenções encorajou este mercado e os escravistas a fazerem mais cativos.



Somando-se aos problemas de consequências não intencionais está o problema dos incentivos das próprias organizações que trabalham no setor de ajuda internacional. Em 2019, a Devex publicou a série investigativa "O que deu errado?"


Esta organização - que é a plataforma de comunicação e o maior provedor de serviços de contratação para o setor de desenvolvimento internacional - relatou como apenas no Quênia, nos últimos 10 anos, cerca de 22 projetos fracassaram em quase todos os setores "incluindo saúde, educação, igualdade de gênero, habitação e adaptação às mudanças climáticas. " A Devex chega a uma conclusão importante sobre por que esses erros são repetidos: "Em uma indústria que tende a recompensar as boas notícias com mais financiamento, as organizações de ajuda podem relutar em admitir falhas no projeto ou, pior, o fracasso do projeto."


Então, a ajuda internacional ao desenvolvimento, de bom coração, funciona? Ao contrário do argumento de Jeffrey Sachs para aumentar os gastos com ajuda externa, o economista William Easterly afirma que "o Ocidente gastou US$ 2,3 trilhões em ajuda externa nas últimas cinco décadas (...) tanta compaixão bem-intencionada não trouxe resultados para as pessoas necessitadas . "


Embora muitos como Bill Gates pensem que a ajuda externa é inquestionavelmente boa, o fluxo de capital dos países desenvolvidos alimenta em grande parte a corrupção dos governos receptores e diminui a responsabilidade desses governos para com os mais necessitados. O que é pior, adia as reformas necessárias para que esses países se integrem ao comércio mundial sob instituições sólidas e economias livres de encargos burocráticos. Afinal, esta é a melhor forma de progredir!


As agências internacionais de desenvolvimento parecem estar ganhando consciência do impacto das consequências indesejadas. No entanto, não é suficiente. O US Government Accountability Office (GAO) relatou que, em 2015, seis grandes organizações consideraram efeitos colaterais imprevistos em apenas aproximadamente 28 % das avaliações de seus projetos de ajuda externa.


Muitas vezes, consequências imprevistas acabam destruindo as boas intenções de quem esquece o que se vê e o que não se vê, como escreveu Frédéric Bastiat. Infelizmente, como Milton Friedman disse, "um de nossos grandes erros é julgar as políticas e programas por suas intenções e não por seus resultados".


Não se trata de abandonar a solidariedade, mas de aprender e tornar-se mais eficaz na nobre tarefa de ajudar os mais necessitados.



 

Artigo publicado originalmente no Foundation for Economic Education, no dia 06/06/2021, podendo ser conferido aqui.


Imagem de abertura: foto por Wacky Toyo Boy Borj, sob licença Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.0 Generic (CC BY-NC-ND 2.0), com a descrição: "We cannot build our own future without helping others to build theirs."


50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo