• Felipe Lange

Berços do capitalismo: as cidades-estados da Grécia e da Itália

Atualizado: Jun 10

Marcia Christoff-Kurapovna







Há muito tem havido um persistente debate acadêmico sobre se uma "economia antiga", referindo-se principalmente à Grécia, existia mesmo. Em um campo dominado por Marx, marxistas, o sociólogo do século 19 Max Weber, e tais estudiosos de renome como Sir Moses Finley, a imagem remanescente do mundo econômico da polis grega é a de algo muito estático. Imaginamos uma aula de lazer descansando no pé de sandália de um orador, enquanto os escravos cuidavam dos campos, açoitando as vacas atreladas aos arados presos na lama. É a noção de uma economia "primitiva": dinheiro feito para status, não para investimento; crédito estendido para a compra de escravos, a guerra travada pela captura do saque, as elites no controle das corporações de ofícios e os reis-tiranos, mantendo a paz distribuindo aleatoriamente os bens.


Depois, há o próprio épico antigo, com o nobre Odisseu desdenhando a navegação pelo lucro (embora tenha recebido todas as recompensas que conseguiu coletar) e o grande Aquiles ponderando a descoberta de um tesouro precioso apenas na medida em que possa estimar seu valor aristocrático. A partir desta fundação rudimentar, prevaleceu todo um campo de visões socialistas-keynesianas sobre a economia grega, com ocasionais estudiosos libertários como Murray Rothbard e Jesús Huerta de Soto dando uma palavra de lado. Recentemente, porém, a academia encontrou muito mais evidências de avanços tecnológicos e considerações de mercado por parte da polis clássica do que se pensava anteriormente.

Mantendo em mente de que em que ambas as Grécia (e Itália da Renascença) a democracia não era incompatível com aristocracia, e que oligarquias e tiranos não eram necessariamente anti-liberais, vários pontos podem ser feitos em defesa do modelo econômico da cidade-estado: 1) que quanto mais forte a cidade-estado, maior a expansão industrial e econômica; 2) que propriedade privada era considerada um princípio econômico fundamental; 3) que padrões bancários eram relativamente conservadores; 4) que as mais ricas cidades-estados eram mais dinâmicas socialmente; 5) que a competição entre cidades-estados liderou a moderna Europa empreendedora; e 6) que o tirano visionário estava quase sempre em primeiro lugar em seu governo.


Quando a pólis grega teve sua mais forte revolução industrial, tecnológica e monetária seguida


A primeira grande revolução industrial da Grécia antiga ocorreu por volta de 500 a.C., o resultado do poder político se transformando em aglomerados democráticos regionais, individualmente conhecidos como pólis. As grandes pólis - Atenas, Corinto, Tebas e as áreas colonizadas da Ásia helênica - começaram a especializar sua produção industrial em quatro áreas: agricultura, processamento de alimentos, mineração e cerâmica, fontes de riqueza e expansão. Também foi uma época de revolução tecnológica: as ferramentas de ferro feitas na Grécia a partir do século 6 eram tão avançadas que foram usadas mais tarde para equipar Roma e o Egito ptolomaico. O fortalecimento da polis independente também significou o início do investimento na indústria por classes mais abastadas, uma atividade anteriormente desaprovada. Depois veio a introdução da moeda, resultado da nova ênfase nas economias locais, começando a se expandir. Agora que a riqueza estava se tornando mais difundida, ocorreu um declínio no patrocínio aristocrático, mais tarde substituído por relações econômico-cívicas. Uma explosão nos laços comerciais inter-regionais entre as cidades-estados se seguiu.



Mesmo Aristóteles defendeu propriedade privada


Em contraste com outras sociedades antigas da época, a maior parte da Grécia antiga dependia de uma sociedade de propriedade privada. Filósofos como Demócrito e Aristóteles defenderam fortemente a propriedade como um direito e uma necessidade. Tendo testemunhado a diferença entre a economia da propriedade privada de Atenas e o estrito coletivismo de Esparta, ambos os pensadores concluíram que a primeira era uma forma superior de organização econômica. Aristóteles defendeu-a em vários aspectos: primeiro, que apenas a propriedade privada oferecia aos homens a oportunidade de agir moralmente - praticar, como ele dizia, "benevolência e filantropia"; segundo, ele argumentou que era mais produtivo do que propriedade comunal; terceiro, que enquanto "o Bem" pode ser o mesmo para todos os homens, o prazer varia, e somente "propriedade exclusiva" pode conceder isso a um homem; quarto, que a propriedade privada sempre existiu e com boas razões; e quinto, que, em comparação com a propriedade comunal, a propriedade privada deu mais incentivo ao cuidado, "labuta e diligência". A propriedade, porém, manteve o grande pensador, permitiu que os ricos estivessem acima da lei. Onde a propriedade privada era mais proeminente - na polis de Atenas - a organização legal democrática daquela cidade-estado não permitia que os julgamentos se baseassem na propriedade. Uma hierarquia baseada em propriedade privada foi prejudicada em favor da igualdade democrática.



Grécia Antiga (e Roma) mantiveram altos padrões bancários


Os templos religiosos, como o de Apolo em Delfos, Ártemis em Éfeso e Hera em Samos, eram os “bancos originais”, por serem considerados invioláveis ​​e, portanto, um refúgio relativamente seguro para o dinheiro; eles até tinham suas próprias milícias para defendê-los. No entanto, do ponto de vista atual, o mais seguro desses bancos era o fato de que os banqueiros gregos queriam manter uma taxa de reserva de 100% sobre os depósitos à vista, como pesquisou em profundidade o historiador libertário Huerta de Soto. Os bancos nem sequer eram considerados fontes de crédito e os juros não eram permitidos. Os clientes fizeram depósitos por razões de segurança e os banqueiros esperados para fornecer custódia e proteção - não muito diferente dos banqueiros privados contemporâneos da Suíça de hoje. Desnecessário dizer que houve atividade fraudulenta, mas quando o público perdeu a confiança nesses bancos, estes faliram e nenhum "Estado" interveio para salvá-los. "Em suma", escreveu Huerta de Soto, "o banco era baseado na confiança dos depositantes, na honestidade dos banqueiros, no fato de que os banqueiros deveriam sempre manter disponível o dinheiro depositado nos depósitos à vista e no fato de que o dinheiro emprestado aos banqueiros deveria ser usado de forma prudente e sensata quanto possível. " Os bancos romanos também não foram considerados livres para usar os depósitos que quisessem, mas obrigados a salvaguardar diligentemente esses depósitos, que não pagavam juros e não deviam ser emprestados.



A cidade-estado renascentista recompensou o talento e o empreendedor


Havia uma surpreendentemente mobilidade social à elite da cidade-estado italiana e a nobreza não se limitava ao nascimento. O status social era determinado pelo talento, e o famoso historiador suíço Jacob Burckhardt aclamava esse peculiar fenômeno social da Renascença como "o nascimento do Indivíduo".


Além disso, os grandes humanistas da Renascença aprovaram o comércio e a busca privada da riqueza, rejeitando o ideal de pobreza franciscano e estóico - de fato, a primeira geração de humanistas cívicos, como Leonardo Bruni e Francesco Barbaro, elogiaram a riqueza como precondição para a "virtude cívica ativa". " Pela primeira vez na história e exclusivamente dentro do contexto da cidade-estado renascentista, o "Homem Econômico" - como Francesco Datini, o verdadeiro paradigma do rico comerciante florentino-toscano - chegara.



A cidade-estado renascentista encorajou competição e produção industrial


A luta entre as cidades-estado em ascensão estimulou tanta concorrência entre elas que as exportações no exterior começaram a exceder as importações, devido às batalhas econômicas entre esses estados para superar uns aos outros. Não foi por acaso, por exemplo, que Florença alcançou a hegemonia mais econômica e política da Toscana, já que a cidade-estado era mais suscetível de ser cortada das linhas críticas de comércio e suprimentos de alimentos por rivais regionais. Os tiranos tendiam a ser visionários econômicos: eles encorajavam essa competição - como Viscontis, de Medicis ou Sforzas. Em estados mais republicanos como Florença, foram fundadas ligas de cidades toscanas anti-tirânicas e antiimperiais que também se tornaram zonas de livre comércio entre si.

Comércio de lã, sal, sedas, azeite de oliva, tudo floresceu durante esse tempo e o fenômeno do empreendedor moderno entrou em cena, emergindo as economias de artesanato da Idade Média, mantidos por guildas. Onde as cidades-estado floresceram, a modernização da economia geral se seguiu: a mobilidade do trabalho melhorou, a soberania jurisdicional foi codificada na lei, os sistemas de transporte foram fundados e a divisão do trabalho expandida. Cerca de 500 anos depois, uma Itália recém-unificada ficaria sem liderança mais uma vez e o país só começaria a se industrializar na virada do século XX.



Pequeno era bonito – e produtivo


A cidade-estado de Lucca foi um exemplo excepcionalmente bem-sucedido da época, mantendo-se como uma potência econômica na indústria da seda. O líder da cidade-estado, Paolo Guinigi, descendente de uma das famílias mais aclamadas de Lucca, promoveu o comércio de mármore Carrera, a fabricação de produtos de seda, e modernizou o sistema bancário, enquanto apaziguava o poderoso Viscontis em Milão. Tampouco faltava democracia: havia abertura de acesso a cargos e posições de influência. O parlamento de Lucca, de 1430, por exemplo, consistia de 97 cidadãos, de uma elite de comerciantes a doutores da lei, tecelões, operários de couro e açougueiros. A população em todas as linhas de classe era composta de proprietários independentes.


Deve-se sempre ter cuidado ao raciocinar de trás para a frente de uma perspectiva econômica moderna a um conjunto bastante diferente de condições nos tempos antigos ou medievais. Mas a impressionante continuidade histórica da crença humana no imperativo da propriedade privada; em recompensas ganhas por talento e empreendedorismo, e no papel de honra no banco e no comércio, permanecem lições para voltar a repetir - na esperança de que tais crenças nunca sejam meras histórias interessantes do passado.


Artigo publicado no dia 14/11/2017 no Mises Institute, podendo ser conferido aqui.

0 visualização

© 2018  por Felipe Lange. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now